top of page

Lorena Hollander e seu USHAN

Atualizado: 17 de ago. de 2023



Durante a pandemia comecei um processo de redescobrimento, ou será na verdade de descoberta? O real é que aconteceu um movimento intenso aqui dentro e não parou mais. Dois anos se passaram até que por um instante algo aconteceu, na verdade, o pensamento mudou e o que era antes, hoje não é mais. O fato é que esse pensamento de mudança advém em todas as horas do meus dias.


Entender essa sutil maneira de olhar o tempo e o que acontece à nossa volta é o diferencial. Não é fácil. Nada é o que parece ser e as pessoas vivem se enganando achando que algo mudou em suas vidas quando elas entendem o mínimo desse movimento.


A nossa matéria é viva, a terra pulsa, o mar é de Iemanjá e toda energia é movimento. Você é feito também de poeira cósmica de bilhões, trilhões de anos e vibrando somos mais velhos que meros anos, que se estendem dos Dinossauros ao Império Romano passando por Cristo até o massacre das colonizações. A evolução é uma partícula de energia que brilha no universo de cada corpo.


Corpo é um universo em movimento.


É vibração que reverbera a energia do amor.


Essa energia em movimento pode vir de várias maneiras e uma delas é por sons que através de combinações de notas musicais com suas regras variáveis de harmonia que conduziu o universo e a humanidade a uma prática cultural sonora. É por elas que saudamos os deuses, natureza, riqueza, união, morte saúde e ritualizamos o sexo com uma sonora adequada a cada movimento dos corpos.


Quando comecei o processo de mudança, ou melhor, de entendimento do que hoje seria um acordar da Matrix, escutei muitos Cânticos de antigas religiões e inspirado por Claudiney Pietro, fui banindo tudo que é ruim tentando uma purificação.


Se escrever é um ato de procurar o que existe perdido por dentro de nós, assim faço, e busco também harmoniosamente a calmaria do som ou sua agitação que transforme minha forma de pensar e agir. Seja no erro ou no acerto, aliás, sou adepto do erro. Errar não é evoluir de alguma maneira? O correto nasce na grandeza do erro quando ainda na inocência de não saber o que está errado e assim aprender. Seja uma Utopia ou um bem querer.


Nada mais adequado que um ritual, seja na escrita, escutando uma música ao som de tambores rítmicos em um banho de cachoeira ou de Lua. Depois de ouvir as sonoras do Cântico da Wicca que são verdadeiras rezas, hoje me deparei com a obra de Lorena Hollander em seu mais novo projeto USHAN – Banho de Lua. E encaixou igual uma luva para esse momento que meu universo, nada particular, vem se transformando.


Quando estamos passando por esses processos internos e vibramos de forma positiva o cosmo contribui para que isso aconteça mostrando o que você mais gosta. No meu caso, música e escrita, colocando para fora todo o sentimento real que faz parte dessa conexão, agora minha conexão é totalmente ligada a de USHAN.


Que tudo se conecte com o amor e suas derivações vibratórias e rituais lunares.


Essa é a primeira parte do que vamos apresentar aqui sobre a inquieta Lorena Hollander. Enquanto isso, vamos conhecer um pouco mais sobre esse projeto USHAN com o álbum, Banho de Lua, minha mais nova sonora para banir e purificar o corpo e o universo que habita em mim.



Ficha técnica:


USHAN – Banho de Lua

Céu Brilhou

Iemanjá Cria o Mar

Vermelho (Feat. Edina Shanenawa)

Amor

Coração

Bem Me Quer

Água

Que se vá

Utopia

Produzido por Lorena Hollander

Gravado por Lorena Hollander no Estúdio Selenita em São Paulo, exceto bateria gravada no Estúdio YB e percussão de “Amor”, “Coração” e “Que se Vá” gravada por Craca Beat

Mixagem e masterização: Diego Techera no Estúdio YB

Foto capa: Samuel Esteves

Arte: Lorena Hollander



Comments


bottom of page