A Sonora de Santiago nas Madrugadas de Pandemia



Quando o som de Santiago cai sobre meus ouvidos percebo a força de movimentos passados e a importância musical para os nossos dias. É quando viajo nas letras expressas ainda de forma tímida do músico Notlim Santiago, mas com a certeza da grandeza musical do artista de aparência “Setentista”.


Em minha opinião uma década que aflorava música, poesia e rebeldia apresentando grandes nomes que se perpetuam e influenciam até hoje, mesmo sem muitos detectarem em seus trabalhos inicias, eles chegam por tabela.


Gosto de entender o que escuto procurando dentro da sonoridade essas lembranças que são opiniões minhas e, é bom deixar claro quê, não são comparações, e sim uma busca divertida que faço, quando encontro um determinado som que nunca tinha escutado antes.


O exemplo que posso apresentar é de um disco que me acompanha desde criança de um cara de Cabelo Black Power, e uma capa de LP psicodélica de canções ritmadas, tendo o violão como instrumento principal.


O Long Play é do ano celestial de 1976, era terceiro disco do jovem que cravou seu nome na música popular brasileira, não da forma que vinha sendo desenhadas nos seus primeiros três discos iniciais, poucas pessoas lembram ou sabem dessa sua fase musical.



O Nome do LP é Porta do Sol, do Wanderley Alves dos Reis, formado em violão erudito que nós conhecemos como Calcinha-Man ou simplesmente Wando. O disco Porta do Sol é sem dúvida nenhuma uma das coisas mais lindas que já escutei da década de 70. E quando vi de imediato a Sonora, a plástica e o visual dos vídeos de Santiago um espiral de sensações me levaram a infância na casa da minha mãe com sua sala repleta de plantas, uma vitrola e Wando na ambientação sonora.


Paralisei no cenário, violão, letra e voz de Notlim Santiago que me deixou curioso e acabei indo conferir mais músicas em seu perfil. Músicas como “Insone” forte e cheia de desejos noturnos de corpos suados, jogados em mesas, chão, cama, tapete e toques com percepções refletidas em cada momento quente de uma madrugada de quarentena. Trazendo e aflorando toda paz e o crescimento como a luz do amanhecer no horizonte.


Santiago traz outras músicas como Ouse, Faísca, Prelúdio, Maré, Grão de Areia (des)astral e Tabuleiro. Canções gostosas que dariam tantos outros textos, mas que por hora vamos tentar escutar durante nossas Insônias ou em dias de chuva, de encontros virtuais, pois é o que temos nesse momento, ou até mesmo entre amigos à distância, bebidas, bondades, desejos de uma nova realidade, menos cruel.


Acompanhados ou não, é como se fosse um disco rolando na vitrola com sua agulha estalando no vinil com o violão no dedilhar acompanhado por frases de composições autorais de forma certeira e envolvente do jovem, e por que não, “Setentista” Nortlim Santiago.


O importante salientar é que essas músicas estão em seu perfil do instagram produzidas em vídeo por @novoaeonfotografia e @maciotnt3. Fico imaginando quando sair o EP, melhor ainda, vai que sai uma tiragem em LP, aí danosse foi tudo!


Aqui deixo disponível o LP Porta do Sol de 1976 do WANDO. Escutei e e entendam que era de fato o Calcinha-Man.



Onde escutar o som de Santiago?

Ôxe aqui visse = Notlim Santiago

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo