DANÇA PARA SENTIR




Coletivo Lugar Comum estreia o espetáculo acessível Cicatriz no Teatro Hermilo Borba Filho


Coletivo artístico fará quatro sessões inéditas nos dias 04 e 05 de agosto

(quinta e sexta-feira), às 16h e às 20h


De volta aos encontros presenciais, o Coletivo Lugar Comum entra em cena no Teatro Hermilo Borba Filho, nos próximos dias 04 e 05 de agosto (quinta e sexta-feira), para apresentar ao público o espetáculo de dança inédito Cicatriz, em duas sessões cada dia, às 16h e às 20h.


A montagem nasce após o mergulho do Coletivo numa pesquisa iniciada em 2016 e incentivada pelo Funcultura. Os ingressos estão à venda no Sympla pelos valores de R$ 15 (meia-entrada) e R$30 (inteira) – link na bio do Instagram @lugarcomumcoletivo.


A concepção dramatúrgica foi toda desenhada de forma integrada com acessibilidade, com a proposta de provocar, despertar e estimular os sentidos nas mais profundas entranhas de quem está experienciando o espetáculo, passando também pelas superfícies de cada pele, corpo, de cada ser individual, coletivo e social.


As cenas foram montadas com o desejo de contemplar públicos com diferentes necessidades de acessibilidade. Desse modo, as artistas criadoras experimentam trazer para a cena diferentes maneiras de utilizar palavras, sons e espacialidades para que a narrativa cênica contemple todos os sentidos, e não apenas a visão.


No dia 05 de agosto, às 16h, haverá uma sessão com interpretação em libras do espetáculo.


O espetáculo estreia em processo, não há uma definição fechada, na medida em que o público será convidado a aguçar a pluralidade da sua percepção para as cicatrizes que dançam em cena e, ao mesmo tempo, a acessarem as suas próprias marcas internas em uma confluência de histórias e lugares de cura.


Cada apresentação se difere da outra, prevendo que os corpos presentes, ao vivo naquele espaço, carregam bagagens com diferentes memórias, afetos, dores, alegrias e amores. Em cena, as cicatrizes dançam, os sentires, as marcas ancestrais e do agora, visíveis e invisíveis, de cada uma (um) das (os) oito artistas dançam, e também daqueles que participam da construção dos momentos. Cicatriz é uma performance para ser partilhada, sentida e transmutada.


Estão em cena as artistas: Luciana Raposo, Maria Agrelli, Paloma Granjeiro, Priscilla Figueiroa, Silvia Góes, Vi Laraia, Conrado Falbo e Cyro Morais.


“Cicatriz é ressurgimento, é transformação, é uma coisa em movimento dentro de nós, perspectiva de renascimento para que a gente se refaça. E esse processo às vezes envolve riso, às vezes envolve dor, às vezes envolve brincadeira, às vezes envolve chorar e sentir a dor. Cabe tudo. E a diversidade de pessoas reflete isso, essa diversidade de momentos e de maneiras de lidar com tudo isso. O que nós estamos oferecendo são as nossas histórias, são os nossos corpos dançando as nossas cicatrizes”, expõe Conrado Falbo, artista do Coletivo Lugar Comum.


“As cicatrizes tem eco e isso aconteceu ao longo dos encontros, durante o processo colaborativo de compartilhamento das nossas cicatrizes. Percebemos esses ecos e vamos estender nas cenas para que o público, de alguma forma, sinta-se provocado nesse lugar e se coloque nessa situação de ter que acionar outras percepções para conseguir assimilar o que está sendo dito e corporificado, e que isso ecoe nele também”, complementa Paloma Granjeiro, também artista do grupo.


“Quando compartilhamos nossas cicatrizes dentro do coletivo houve muita identificação e representação, não por serem iguais, mas por aprendermos a lidar com elas de uma forma transformadora. O afeto é uma premissa nossa do coletivo, é o que nos une há mais de 15 anos. A gente não é apenas um grupo artístico que trabalha performance, a gente é uma família que trabalha performance, dança e está aberta a outras manifestações artísticas. O afeto é o que nos une, é a nossa argamassa”, conclui Vi Laraia, uma das oito artistas do coletivo.


Espetáculo acessível – Para se tornar possível um espetáculo ser acessível não somente a partir da audiodescrição, mas em todas as etapas de concepção da dramaturgia, foi indispensável o trabalho de Joselma Soares, ou apenas Jô, bailarina de Natal (RN), cega, quem está assinando a consultoria de acessibilidade. Havia o desejo de se construir o espetáculo já pensando na acessibilidade desde o início, ao invés de inserir somente depois. A partir disso, o coletivo convidou Jô, que transformou a linguagem descritiva das cenas, dos movimentos, em menos técnica e mais artística. Foi daí que surgiu a ideia de trazer outros elementos acessíveis para composição do espetáculo Cicatriz.


“O exercício foi se colocar no plano de quem não é vidente. A corporalidade, o sentir. Fazer com que a pessoa exercite isso sem necessariamente o contato físico. Caminhando para uma provocação para que o público experimente o dançar com os sentidos. Quem precisa da acessibilidade sente a dança a partir da percepção e cria uma dança na imaginação”, explica Paloma Granjeiro.


Processo criativo – A criação foi iniciada em 2016, por meio de um projeto de pesquisa intitulado “Cicatriz do Esquecimento”, cuja ideia originadora foi de Maria Clara Camarotti. Nessa etapa, o processo foi alimentado por experiências propostas por todas as artistas colaboradoras que participaram do processo: Lívia Falcão (atriz que há anos vem se dedicando a práticas xamânicas de cura), Naná Sodré (atriz que desenvolve ampla pesquisa sobre a gestualidade dos Orixás como base para o trabalho corporal direcionado ao teatro), Lau Veríssimo (atriz e dançarina dedicada durante toda a vida ao teatro ritual, ao lado do Grupo Totem), Carolina Lobo (dançarina e estudiosa de práticas corporais e somáticas) e Júnico Aguiar (ator e guardião do Centro da Terra - Centro de formação artística e Estudos das Medicinas da Floresta).

Em 2021, o processo foi retomado com parte dos integrantes da pesquisa dando um outro rumo ao processo criativo iniciado em 2016.


“O processo foi cada vez mais caminhando para um foco nas cicatrizes. Primeiro o que significa cicatriz e quais são as nossas cicatrizes pessoais que a gente queria trazer. Então cada uma das oito pessoas em cena foi trazendo suas cicatrizes, a partir dessas vivências que foram oferecidas por várias pessoas diferentes, a gente ia trazendo essas marcas que interessavam para a gente naquele momento mexer, trabalhar. Então o que aconteceu foi essa dança com as cicatrizes. Os anos de 2020/2021 foram conturbados pra todo mundo. Então quando a gente se reunia nas salas virtuais de reunião sempre tinha um momento de conversar, de falar das confusões, das dificuldades, das dores, e isso se misturava muito com os temas que a gente estava trazendo para criar com as cicatrizes históricas da gente, de cada pessoa. As minhas cicatrizes afetam outras pessoas e as cicatrizes das outras pessoas afetam as minhas danças. Tudo isso aconteceu de um jeito compartilhado e coletivo, o tempo todo”, lembra Conrado Falbo.


FICHA TÉCNICA:

Artistas-criadoras: Maria Agrelli, Paloma Granjeiro, Priscilla Figueiroa, Silvia Góes, Vi Laraia, Conrado Falbo, Cyro Morais e Luciana Raposo.

Dramaturgia: Liana Gesteira e artistas-criadoras

Consultoria de Acessibilidade: Joselma Soares Concepção de Acessibilidade: artistas-criadoras

Preparação corporal: artistas-criadoras Concepção e criação de figurino: Maria Agrelli e artistas-criadoras

Trilha sonora original: Conrado Falbo Criação e execução de iluminação: Luciana Raposo

Assistente de iluminação/cenotécnico: Sueides Leal (Pipia) Técnico de áudio e sonoplastia: Hugo Coutinho Produção geral: Lorena Cronemberger

Produção executiva: Liana Gesteira Designer gráfica: Aurora Jamelo

Fotos de divulgação: Tuca Soares Cobertura fotográfica e audiovisual: Rayanne Moraes

Assessoria de Comunicação: Andréa Almeida (Alcateia Comunicação e Cultura) Intérprete de Libras: Eduardo Du Castilo e Simone Lyra

Realização: Coletivo Lugar Comum


AGRADECIMENTOS:

Equipe do projeto de pesquisa “Cicatriz do Esquecimento” (2016/2017): Maria Clara Camarotti, Renata Muniz, Naná Sodré, Lívia Falcão, Cacah Travassos, Lau Veríssimo, Ana Carolina Lobo, Júnior Aguiar, Sônia Guimarães, Nathalia Queiroz; Equipe do Teatro Santa Isabel; Dona Lucinda Silva Falcão e Família; Rejane Gesteira; Marcel Nolasco; Companhia Editora de Pernambuco (CEPE); demais integrantes do Coletivo Lugar Comum.


…Nossos filhos, nascidos e não nascidos…



SERVIÇO:

Espetáculo Cicatriz - Coletivo Lugar Comum

Datas: 04 (estreia) e 05 de agosto de 2022 (quinta e sexta-feira)

Local: Teatro Hermilo Borba Filho

Horários: duas sessões por dia, a primeira às 16h e a segunda às 20h

Ingressos: R$ 15 (meia-entrada) e R$ 30 (inteira)

Vendas: Sympla (link da bio @lugarcomumcoletivo)

Instagram: @lugarcomumcoletivo


CONTATO - ASSESSORIA DE IMPRENSA:

Alcateia Comunicação e Cultura

Andréa Almeida: (81) 99172-3222

E-mail: alcateiacomunicacaoecultura@gmail.com Instagram: @alcateia.comunicacao